Publicado por: União das Mães | 05/29/2015

2015 – ANO DA VIDA CONSAGRADA

Papa Francisco dedicou este ano de 2015 à Vida Consagrada.

A bela vocação do consagrado deve ser vista como “uma resposta livre a um chamamento particular de Cristo,  mediante a qual os consagrados se entregam totalmente a Deus e tendem para a perfeição da caridade sob a moção do Espírito Santo.Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, n. 192.

VOCAÇÃO 15

E, nesse coração consagrado, que deu o seu ‘sim’ livre a Cristo, a alegria se torna presente.

“A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Com Jesus Cristo, nasce e renasce sem cessar a alegria”. – Papa  Francisco, Exortação Apostólica Evangelii gaudium. n. 1.

CONSAGRADOS, TESTEMUNHOS DA ALEGRIA

PAPA FRANCISCO 15O homem e mulher consagrados devem, com alegria, ser testemunho de comunhão e do Evangelho.

“Dentro das limitações humanas, nas preocupações do dia a dia, os consagrados e as consagradas vivem a fidelidade, dão razão da alegria que vivem, convertem-se em testemunho luminoso, anúncio eficaz, companhia e proximidade para com as mulheres e homens do nosso tempo que procuram a Igreja como casa paterna.” – Papa Francisco, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, n. 47.

AVE MARIA, MÃE DA ALEGRIA

MTA 2015Maria é modelo de alegria para os consagrados. À semelhança da Mãe de Deus, eles querem, exultados, apresentar Jesus ao mundo.

O Filho que Maria traz no seio é o Deus da alegria, do júbilo que contagia, que envolve. Ela se entusiasma e se dirige “apressadamente” – Lc 1, 39 – para levar ao mundo o feliz anúncio, a todos a alegria irreprimível que acolhe no seio: Jesus, o Senhor. 

Com e como Maria, os consagrados e as consagradas são a Igreja toda que caminha junta: “na caridade de quem se move ao encontro daquele que é mais frágil; na esperança de quem sabe que será acompanhado nesse seu andar, e na fé de quem tem um dom especial a partilharDom João Braz de Aviz, Carta Circular aos Consagrados e Consagradas, 02 de fevereiro de 2014.

Em Maria, cada um de nós, que formamos a Igreja, levado pelo vento do Espírito, vive a própria vocação a ir! Assim, juntos, podemos rezar:

Estrela da nova evangelização,
ajudai-nos a refulgir
com o testemunho da comunhão,
do serviço, da fé ardente e generosa,
da justiça e do amor aos pobres,
para que a alegria do Evangelho
chegue até aos confins da Terra
e nenhuma periferia fique privada da sua luz.
Mãe do Evangelho vivo,
manancial de alegria para os pequeninos,
rogai por nós. Amém. Aleluia!

  Papa Francisco, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, n. 288.

 INSTITUTO SECULAR DAS IRMÃS DE MARIA DE SCHOENSTATT,

UMA DÁDIVA DE DEUS

Dentre os vários tipos de consagrados, na coluna feminina da Obra de Schoenstatt, queremos destacar o Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt, fundado pelo servo de Deus, Padre José Kentenich, em Schoenstatt, Vallendar, Alemanha, no ano de 1926.

Como o fundador, Padre José Kentenich, que viveu e anunciou ao mundo de modo exemplar o mistério de Maria, o Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt é ancorado na força fundamental do amor e está unido à Família Internacional de Schoenstatt no grande objetivo comum: a Configuração Mariana do Mundo em Cristo.

Anunciar ao mundo o “Mistério de Maria” é o objetivo de vida e de atuação apostólica de todos os membros do Instituto, para que Maria possa ser reconhecida como Oficial e Permanente Auxiliar de Cristo na obra total da salvação. Ao lado de Cristo, cabeça do Corpo Místico, Maria é o coração, que por sua mediação maternal, tudo vivifica. Como Mãe, sua grande preocupação é levar os seus filhos a uma profunda e plena comunhão com Cristo seu divino Filho, para a glorificação da Santíssima Trindade.

E, como a Mãe, Rainha e Vencedora, Três Vezes Admirável de Schoenstatt, fundadora e Superiora Geral do Instituto, Maria, pela força da Aliança do Amor, conclama suas filhas, do Santuário, a testemunhar com e como o Fundador, o amor à Igreja, num empenho vigoroso e convincente, colocando a vida a serviço dos urgentes apelos da Nova Evangelização.

 SCHOENSTATT A SERVIÇO DA IGREJA 

AS PIONEIRAS

AS PIONEIRASEm junho de 1935, Pe. Kentenich enviou as 12 primeiras Missionárias ao Brasil. As Irmãs de Maria de Schoenstatt chegaram com espírito missionário e ardente zelo apostólico.

A VIDA CONSAGRADA É UM GRANDE SINAL DO CÉU

Irmãs de Maria de Schoenstatt – Santa Maria/RS

IRMÃS DE SCHOENSTATT 15

Irmãs de Maria de Schoenstatt

A música em  Schoenstatt  “A música é um meio para que o homem possa penetrar no tranquilo ritmo de Deus”, afirma o Pe. José Kentenich. Fonte: www.maeperegrina.org.br

 MÃES: VIDAS CONSAGRADAS!

Mães 15

As mães são consagradas por Deus. Elas também são exemplos vivos de vidas consagradas. Enquanto mãe, cada mulher é capaz de gerar, valorizar e estar atenta a todo e qualquer sinal de vida, mesmo quando isto lhe custa grandes sacrifícios.

Família 15Doam-se a gerar vida e a constituir uma família e, por sua vez, são chamadas a transformar seu lar numa Igreja doméstica, com a missão de educar para uma autêntica vida cristã.

Na busca desse objetivo, na educação dos filhos, empenham-se pelos valores cristãos: o amor fraternal, o respeito mútuo entre pais e irmãos e irmãos entre si, a honestidade, a humildade, a serviçalidade, a cordialidade e a vivência de uma vida religiosa.

Como mulheres e mães, chamadas a viver e trabalhar profissionalmente na moderna sociedade humana, nós queremos ser fermento de vida cristã dentro dela (…) estando no mundo não somos do mundo (Jo 15, 19) e fazendo-nos tudo a todos, buscamos ganhá-los para Cristo (1Co 9, 22).

“As pri­mei­ras tes­te­mu­nhas da Res­sur­rei­ção são as mu­lhe­res. E isto é bo­nito. Esta é um pouco a mis­são das mu­lhe­res: mães e mu­lhe­res! Dar tes­te­mu­nho aos fi­lhos e aos pe­que­nos ne­tos, de que Je­sus está vivo, é o Vi­vente, res­sus­ci­tou. Mães e mu­lhe­res, ide em frente com este tes­te­mu­nho!”. Papa Francisco

Cristo pode percorrer o mundo de hoje por meio de famílias santas, que mostram a todos: o amor de Deus Trino, a presença de Maria, a esperança, a evangelização…

Vivenciar os deveres de esposa, de mãe, de filha e de cristã em todos os momentos, com amor e perseverança, é um grande testemunho. Ser exemplo vivo de Maria na paciência, no silêncio e no servir.

UNIÃO APOSTÓLICA DE MÃES DE SCHOENSTATT

As mães da União Apostólica de Mães de Schoenstatt são consagradas à Mãe de Deus e, em estreita união com a Igreja e com o Movimento Apostólico de Schoenstatt, se esforçam pela renovação do mundo em Cristo.

Cientes de que são instrumentos nas mãos de Deus, as mães da União buscam conquistar a autoeducação, tendo como modelo as virtudes de Maria.

 Acreditam que a essência da família está no amor que carrega e suporta, no amor que abriga, no amor que experimenta o ‘um no outro’, o ‘um com o outro’ e o ‘um pelo outro’.

Assim, com amor sacrifical, cultivam a santidade da vida diária no convívio com seus esposos, filhos e netos, educando-os a carregar e a equilibrar os fardos um dos outros, para que conheçam o verdadeiro amor – o amor ao próximo.

Como comunidade de vida, de corações e de tarefas, a União de Mães de Schoenstatt é um caso preclaro de comunidade de aliança.  Por ela se vê a Mãe de Deus como modelo de mulher capaz de infundir alma num mundo frio e vazio.

“Sob a proteção de Maria, a autoeducação será sua ocupação permanente, para converterem-se em novas mulheres, capazes de gerar uma comunidade nova que assumirá a tarefa de restaurar a ordem social cristã”.

Mães de Curso 2015

  Mães de Curso da União Apostólica de Mães de Schoenstatt reunidas em Atibaia/SP – Fevereiro 2015

Anúncios

Responses

  1. Preciosa a matéria. E essas palavras do Papa Francisco traduzem o que hoje diria nosso Pai e Fundador: “Dentro das limitações humanas, nas preocupações do dia a dia, os consagrados e as consagradas vivem a fidelidade, dão razão da alegria que vivem, convertem-se em testemunho luminoso, anúncio eficaz, companhia e proximidade para com as mulheres e homens do nosso tempo que procuram a Igreja como casa paterna.” – Papa Francisco, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, n. 47.:”

    Entre as irmãs que tiveram a graça de conhecer nosso Pai e Fundador e, que durante muitos anos tivemos contato com ela, quando dos encontros em Atibaia, a Irmã Stellamaris, Exemplo de Vida Consagrada
    Sugiro ver entrevista concedida pela irmã à JUFEM.


Categorias

%d blogueiros gostam disto: