Publicado por: União das Mães | 08/07/2015

FAMÍLIA – PATERNIDADE

FAMÍLIA – PATERNIDADE

Família e Paternidade

Neste mês de agosto, a Igreja nos oferece um tempo especial de meditação e nos convida a um maior entendimento sobre o tema VOCAÇÃO.

Nesta matéria iremos abordar especificamente o tema Família e Paternidade. 1º. Deus – A paternidade de nosso Pai do Céu; 2º. A paternidade de nosso Pai e Fundador Pe. José Kentenich e 3º. A paternidade do Homem terreno na vida familiar.

Paternidade divinaA PATERNIDADE DE DEUS – É difícil viver a paternidade em uma sociedade como a nossa, em que precisamos provar de toda forma que Deus é Pai bondoso, que Jesus o chama carinhosamente de “Paizinho, Abba!“

Ao chamar Deus de Pai, Jesus expressou a maior carga de ternura, de cumplicidade, de proximidade, de amor que alguém possa ter, colocando em perfeita sintonia, através da oração do Pai Nosso, nosso coração e aspiração de nossa alma com o coração de Deus. Um Deus com imenso amor paternal, que oferece seu único Filho em holocausto para que ninguém se perca (Jo 4, 34; 6, 38).

Jesus cumpriu plenamente a vontade do Pai e, quando Felipe pediu que Ele lhe mostrasse o Pai, imediatamente o fez compreender que Ele e o Pai eram um. (Jo 14,9). A paternidade de Deus revelada em Jesus é a fonte onde devemos beber para nossa santificação.

Pe. KentenichA PATERNIDADE DE NOSSO PAI E FUNDADOR – PE. JOSÉ KENTENICH: “… o sentido mais profundo de sua vida era ser Pai”. Lendo sobre sua vida, veremos como cresceu e desenvolveu essa graça da paternidade que Deus lhe concedeu. Ele sentia e dizia que seu ser pai foi o núcleo de sua personalidade e missão. Deus nos deu assim um Fundador cujo carisma pessoal foi o de irradiar esse rosto de pai. Deus Pai nos presenteou um reflexo vivo de sua própria paternidade divina.

Estudando a vida do Padre Kentenich, podemos descobrir outro traço essencial de sua personalidade: diante dos homens, ele era e queria ser sempre pai, mas diante de Deus sentia-se sempre como criança, como a criança mais pequenina. O homem maduro é filho e é também pai, é como uma ponte por meio da qual Deus quer doar-se a nós. Esse é o ideal que o Pai anunciou e encarnou durante toda sua longa vida.  (site: maeperegrina.org.br).

Pe.Kentenich idealizou e formou uma família schoentattiana: que “pela força da Aliança de Amor com a Mãe e Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt se empenhe com sucesso para encarnar, de maneira atualizada, o ideal da Família de Nazaré”.

Sua paternidade conduz a um objetivo grandioso que faz as maiores exigências a si mesmo e se esforça por colocar na vida o ideal anunciado. Esta paternidade irradia ao mesmo tempo a proximidade de Deus e da vida.

A PATERNIDADE DO HOMEM TERRENO NA VIDA FAMILIAR

PAI

No mundo atual, nunca foi tão importante renovar a família que é atacada por todos os lados, através da inversão de valores, falta de diálogo, falta de condições materiais, separações, entre outros. O Papa João Paulo II, em sua “Exortação Apostólica Familiaris Consortio”, faz-nos refletir que: “O futuro da humanidade passa pela família”, e mostra aos casais a importância de se viver plenamente a vocação familiar.

PAI E FILHOA salvação da família inclui essencialmente uma reforma de pensamento paternal, da consciência paternal e da paternidade. Fala-se muito da mãe e da maternidade, mas pouco sobre a importância do ser pai e da paternidade. É preciso urgentemente resgatar a vocação do ser pai. O pai, separado do contexto familiar gera consequências desastrosas: divisão, separação, desmembramento de toda vida familiar.

Para conseguirmos melhorar a formação e o cuidado com a família, alguns pontos se fazem imprescindíveis como: a plenitude da paternidade, a educação básica, a educação à vida, a educação religiosa.

A plenitude da paternidade – refere-se a um direito original, insubstituível, ou seja, o direito educativo dos pais.

FILHO E PAIA educação básica – É feita com valores essenciais para a vida humana, onde a família é a base e encorajamento para que os filhos consigam se sentir realizados, corajosos, maduros, psiquicamente equilibrados.

A educação à vida – Os pais devem ter noção de que é preciso dar aos filhos um sentido para suas vidas, não os colocando em uma redoma e sim, preparando-os para enfrentar o mundo.  Contudo, hoje, por exemplo, é preciso estar atento a tudo que possa criar outros ‘eus’, comprometendo a essência do homem idealizado por Deus.

A educação religiosa – É influenciada pela clareza das verdades religiosas, atmosfera do lar e exemplo familiar.

O SER FAMÍLIA    

SAGRADA FAMÍLIA 4Segundo o Pe. José Kentenich, o ser uma família ideal nos tempos atuais é quase um ato de heroísmo para conseguir enfrentar o mundo como uma família católica e também schoenstattiana. O catolicismo tem a família como fonte de fé e vida, que deve ser cuidada e desenvolvida com muita prudência e zelo.

O ser família é assumir o sacramento do matrimônio como um grande e belo dom de Deus.  A família é o ponto central de toda a sociedade, sendo a maior expressão do amor de Deus Pai para com seus filhos, pois seus membros são os instrumentos de Deus para a ação educativa dos valores e da religiosidade.  Fazer parte de uma família é uma oportunidade privilegiada; a família deve ser aquele lugar que se pode retornar todo momento.

 O exemplo mais sublime e perfeito de uma família é a Família de Nazaré, que é aquela que deve inspirar e dar forças a todas as famílias.  Como seria belo e agradaria a Deus Pai se cada mãe pudesse seguir o exemplo de Maria, assim como cada pai o de José e os filhos, o de Jesus! Esta sim, a família ideal!

O barulho do mundo, as distrações dos sentidos são o maior obstáculo para que consigamos ouvir e agir do jeito que Deus sonhou para nós. Sabendo de nossas fraquezas, Ele nos ofereceu sua Mãe. A Ela recorremos para que bem depressa, nas entrelinhas da vida, ouçamos a voz de nossa vocação. E uma vez alcançada, seja colocada a serviço, principalmente na restauração da família tão perigosamente perseguida nos dias atuais.

O Pe. Kentenich também nos mostra que, antes de renovar o mundo precisamos renovar a nossa família primeiro. Para isso, devemos buscar a forma magnânima do ser, em que a família consiga viver no mundo atual como Família de Nazaré, mergulhada numa verdadeira Aliança de Amor com a Mãe Três Vezes Admirável. Assim conseguirá expressar o ideal mais belo de uma família de Schoenstatt.

PAPA 15Segundo o Papa Francisco: “A primeira necessidade é precisamente esta: que o pai esteja presente na família. Que esteja junto da sua mulher, para partilhar tudo, alegrias e dores, trabalhos e esperanças. E que esteja junto dos seus filhos no seu crescimento: quando jogam e quando se empenham, quando estão sem preocupações e quando estão angustiados, quando se exprimem e quando estão taciturnos, quando ousam e quando têm medo, quando fazem um passo errado e quando reencontram o caminho. Pai presente sempre.”

FAMÍLIA – ETERNOS LAÇOS DE AMOR 

Para homenagear os pais, colhemos opiniões de alguns pais, esposos de mães de nossa comunidade. Registramos seus depoimentos sobre o significado de ser pai.   

Sandro, esposo da Angelita, pais do  João Vitor, Ana Júlia e Pedro Lucas.

“Ser pai é ser conselheiro, educador, é ser responsável pelo filho eternamente”.

Sigmar, esposo da Gláucia, pais de Vinícius e Nicole.

 – “Ser pai é ser aquele que indica o caminho para os filhos”. 

Arnaldo, esposo da Dôra, pais de Gustavo e Marcelo.

 “Ser pai é vivenciar o amor todos os dias“. 

Hélio, esposo da Luzia, pais de Débora e Carolina.

 – “Ser pai é graça de Deus para sermos exemplo”. 

Valter, esposo da Roseli, pais de Vagner, Pamela e Paula. – “Ser pai é a maior riqueza de amor”.

Concluímos, desejando-lhes um feliz “Dia dos Pais” com muito amor de Deus Pai e de Maria, nossa Mãe educadora, e com uma mensagem do Papa Francisco a todos os pais.

PAI – ESPELHO DE BONDADE E TERNURA

“Parabéns, parabéns pelo vosso dia! Peço para vocês a graça de ser sempre muito próximos aos seus filhos, deixando-os crescer, mas próximos, próximos! Eles precisam de vocês, da vossa presença, da vossa proximidade, do vosso amor. Sejam para eles como São José: guardiões do seu crescimento em idade, sabedoria e graça. Guardiões do seu caminho; educadores, e caminhem com eles. E com esta proximidade, vocês serão verdadeiros educadores. Obrigado por tudo aquilo que fazem pelos vossos filhos: obrigado. A vocês parabéns, e boa festa do pai a todos os pais. Que São José vos abençoe e vos acompanhe. E alguns de nós perdemos o pai, se foi, o Senhor o chamou. Podemos rezar por todos os pais do mundo, pelos pais vivos e também pelos falecidos e pelos nossos, e podemos fazê-lo juntos, cada um recordando o seu pai, se está vivo ou morto. E rezemos ao grande Pai de todos nós, o Pai. Um “Pai nosso” pelos nossos pais: Pai Nosso….”.

“Ser pai, é enxergar no sorriso do filho uma bênção de Deus, uma emoção ímpar, a alegria da vida!”. 

F E L I Z  D I A  D O S  P A I S!

Familia Feliz

Anúncios
Publicado por: União das Mães | 05/29/2015

2015 – ANO DA VIDA CONSAGRADA

Papa Francisco dedicou este ano de 2015 à Vida Consagrada.

A bela vocação do consagrado deve ser vista como “uma resposta livre a um chamamento particular de Cristo,  mediante a qual os consagrados se entregam totalmente a Deus e tendem para a perfeição da caridade sob a moção do Espírito Santo.Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, n. 192.

VOCAÇÃO 15

E, nesse coração consagrado, que deu o seu ‘sim’ livre a Cristo, a alegria se torna presente.

“A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Com Jesus Cristo, nasce e renasce sem cessar a alegria”. – Papa  Francisco, Exortação Apostólica Evangelii gaudium. n. 1.

CONSAGRADOS, TESTEMUNHOS DA ALEGRIA

PAPA FRANCISCO 15O homem e mulher consagrados devem, com alegria, ser testemunho de comunhão e do Evangelho.

“Dentro das limitações humanas, nas preocupações do dia a dia, os consagrados e as consagradas vivem a fidelidade, dão razão da alegria que vivem, convertem-se em testemunho luminoso, anúncio eficaz, companhia e proximidade para com as mulheres e homens do nosso tempo que procuram a Igreja como casa paterna.” – Papa Francisco, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, n. 47.

AVE MARIA, MÃE DA ALEGRIA

MTA 2015Maria é modelo de alegria para os consagrados. À semelhança da Mãe de Deus, eles querem, exultados, apresentar Jesus ao mundo.

O Filho que Maria traz no seio é o Deus da alegria, do júbilo que contagia, que envolve. Ela se entusiasma e se dirige “apressadamente” – Lc 1, 39 – para levar ao mundo o feliz anúncio, a todos a alegria irreprimível que acolhe no seio: Jesus, o Senhor. 

Com e como Maria, os consagrados e as consagradas são a Igreja toda que caminha junta: “na caridade de quem se move ao encontro daquele que é mais frágil; na esperança de quem sabe que será acompanhado nesse seu andar, e na fé de quem tem um dom especial a partilharDom João Braz de Aviz, Carta Circular aos Consagrados e Consagradas, 02 de fevereiro de 2014.

Em Maria, cada um de nós, que formamos a Igreja, levado pelo vento do Espírito, vive a própria vocação a ir! Assim, juntos, podemos rezar:

Estrela da nova evangelização,
ajudai-nos a refulgir
com o testemunho da comunhão,
do serviço, da fé ardente e generosa,
da justiça e do amor aos pobres,
para que a alegria do Evangelho
chegue até aos confins da Terra
e nenhuma periferia fique privada da sua luz.
Mãe do Evangelho vivo,
manancial de alegria para os pequeninos,
rogai por nós. Amém. Aleluia!

  Papa Francisco, Exortação Apostólica Evangelii gaudium, n. 288.

 INSTITUTO SECULAR DAS IRMÃS DE MARIA DE SCHOENSTATT,

UMA DÁDIVA DE DEUS

Dentre os vários tipos de consagrados, na coluna feminina da Obra de Schoenstatt, queremos destacar o Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt, fundado pelo servo de Deus, Padre José Kentenich, em Schoenstatt, Vallendar, Alemanha, no ano de 1926.

Como o fundador, Padre José Kentenich, que viveu e anunciou ao mundo de modo exemplar o mistério de Maria, o Instituto Secular das Irmãs de Maria de Schoenstatt é ancorado na força fundamental do amor e está unido à Família Internacional de Schoenstatt no grande objetivo comum: a Configuração Mariana do Mundo em Cristo.

Anunciar ao mundo o “Mistério de Maria” é o objetivo de vida e de atuação apostólica de todos os membros do Instituto, para que Maria possa ser reconhecida como Oficial e Permanente Auxiliar de Cristo na obra total da salvação. Ao lado de Cristo, cabeça do Corpo Místico, Maria é o coração, que por sua mediação maternal, tudo vivifica. Como Mãe, sua grande preocupação é levar os seus filhos a uma profunda e plena comunhão com Cristo seu divino Filho, para a glorificação da Santíssima Trindade.

E, como a Mãe, Rainha e Vencedora, Três Vezes Admirável de Schoenstatt, fundadora e Superiora Geral do Instituto, Maria, pela força da Aliança do Amor, conclama suas filhas, do Santuário, a testemunhar com e como o Fundador, o amor à Igreja, num empenho vigoroso e convincente, colocando a vida a serviço dos urgentes apelos da Nova Evangelização.

 SCHOENSTATT A SERVIÇO DA IGREJA 

AS PIONEIRAS

AS PIONEIRASEm junho de 1935, Pe. Kentenich enviou as 12 primeiras Missionárias ao Brasil. As Irmãs de Maria de Schoenstatt chegaram com espírito missionário e ardente zelo apostólico.

A VIDA CONSAGRADA É UM GRANDE SINAL DO CÉU

Irmãs de Maria de Schoenstatt – Santa Maria/RS

IRMÃS DE SCHOENSTATT 15

Irmãs de Maria de Schoenstatt

A música em  Schoenstatt  “A música é um meio para que o homem possa penetrar no tranquilo ritmo de Deus”, afirma o Pe. José Kentenich. Fonte: www.maeperegrina.org.br

 MÃES: VIDAS CONSAGRADAS!

Mães 15

As mães são consagradas por Deus. Elas também são exemplos vivos de vidas consagradas. Enquanto mãe, cada mulher é capaz de gerar, valorizar e estar atenta a todo e qualquer sinal de vida, mesmo quando isto lhe custa grandes sacrifícios.

Família 15Doam-se a gerar vida e a constituir uma família e, por sua vez, são chamadas a transformar seu lar numa Igreja doméstica, com a missão de educar para uma autêntica vida cristã.

Na busca desse objetivo, na educação dos filhos, empenham-se pelos valores cristãos: o amor fraternal, o respeito mútuo entre pais e irmãos e irmãos entre si, a honestidade, a humildade, a serviçalidade, a cordialidade e a vivência de uma vida religiosa.

Como mulheres e mães, chamadas a viver e trabalhar profissionalmente na moderna sociedade humana, nós queremos ser fermento de vida cristã dentro dela (…) estando no mundo não somos do mundo (Jo 15, 19) e fazendo-nos tudo a todos, buscamos ganhá-los para Cristo (1Co 9, 22).

“As pri­mei­ras tes­te­mu­nhas da Res­sur­rei­ção são as mu­lhe­res. E isto é bo­nito. Esta é um pouco a mis­são das mu­lhe­res: mães e mu­lhe­res! Dar tes­te­mu­nho aos fi­lhos e aos pe­que­nos ne­tos, de que Je­sus está vivo, é o Vi­vente, res­sus­ci­tou. Mães e mu­lhe­res, ide em frente com este tes­te­mu­nho!”. Papa Francisco

Cristo pode percorrer o mundo de hoje por meio de famílias santas, que mostram a todos: o amor de Deus Trino, a presença de Maria, a esperança, a evangelização…

Vivenciar os deveres de esposa, de mãe, de filha e de cristã em todos os momentos, com amor e perseverança, é um grande testemunho. Ser exemplo vivo de Maria na paciência, no silêncio e no servir.

UNIÃO APOSTÓLICA DE MÃES DE SCHOENSTATT

As mães da União Apostólica de Mães de Schoenstatt são consagradas à Mãe de Deus e, em estreita união com a Igreja e com o Movimento Apostólico de Schoenstatt, se esforçam pela renovação do mundo em Cristo.

Cientes de que são instrumentos nas mãos de Deus, as mães da União buscam conquistar a autoeducação, tendo como modelo as virtudes de Maria.

 Acreditam que a essência da família está no amor que carrega e suporta, no amor que abriga, no amor que experimenta o ‘um no outro’, o ‘um com o outro’ e o ‘um pelo outro’.

Assim, com amor sacrifical, cultivam a santidade da vida diária no convívio com seus esposos, filhos e netos, educando-os a carregar e a equilibrar os fardos um dos outros, para que conheçam o verdadeiro amor – o amor ao próximo.

Como comunidade de vida, de corações e de tarefas, a União de Mães de Schoenstatt é um caso preclaro de comunidade de aliança.  Por ela se vê a Mãe de Deus como modelo de mulher capaz de infundir alma num mundo frio e vazio.

“Sob a proteção de Maria, a autoeducação será sua ocupação permanente, para converterem-se em novas mulheres, capazes de gerar uma comunidade nova que assumirá a tarefa de restaurar a ordem social cristã”.

Mães de Curso 2015

  Mães de Curso da União Apostólica de Mães de Schoenstatt reunidas em Atibaia/SP – Fevereiro 2015

Publicado por: União das Mães | 05/07/2015

MÃE, MAIOR EXPRESSÃO DO AMOR DE DEUS

Mãe maior amor de Deus

“Eu sou a Mãe do Belo Amor” – (Eclo, 24, 24)

AUNICIAÇÃO 2A história do belo amor tem início na Anunciação.  Maria torna-se a Mãe do Belo Amor. Aquela que o gerou, nutriu, educou e dispensou todos os cuidados maternos, participando efetivamente da missão de seu Filho divino, como cooperadora especial na economia da salvação. Foi discípula de Cristo por excelência e fiel companheira de seu Filho. O amor de Maria embeleza as nossas almas aos olhos de Deus e leva essa amorosa Mãe a nos ter por filhos.

Bem-aventurados aqueles que vivem debaixo da proteção de uma Mãe tão poderosa!

Ao dizer o seu “Fiat”, a humilde serva do Senhor, numa profunda atitude de fé e disponibilidade à vontade divina, realiza o maior e mais decisivo ato de fé na história do mundo.

Karl Rahner afirma: “Num instante, que nunca mais vai desaparecer e que permanece válido para toda a eternidade, a palavra de Maria foi a palavra da humanidade, e o seu ‘SIM’ foi o ‘AMÉM’ de toda a criação ao ‘SIM’ de Deus”.

“É chegada/ a hora da graça,/ a hora da salvação,/ a hora da nova Aliança! A Virgem Imaculada, anunciada por séculos,/ toda imersa em oração,/ renova sua entrega,/ indivisa,/ plena,/ livre/ a seu Deus e Senhor!” Poemas para meditar – Ir. Maria Luiza Grando

MÃES SCHOENSTATIANAS, ESPELHO DA MÃE, RAINHA E SERVA DE DEUS

Mil rosasNeste mês especial dedicado às mães, oferecemos à Rainha de Schoenstatt nossa maternidade como expressão maior de nossas vidas. Na escola de Maria, onde ela própria quer nos educar e nos conduzir, experimentamos, junto a Ela, o mistério do seu Filho. No Santuário descobrimos seu amor maternal e o coração de Deus, mergulhadas na graça do abrigo espiritual.

Como mães da União Apostólica de Mães de Schoenstatt, somos convidadas a configurar nossa vida conforme a sua vida, a ser pequenas discípulas aos cuidados da Mãe de Deus. A Aliança de Amor, selada com ela, impulsiona-nos a segui-la e a sermos instrumentos aptos em suas mãos. Eis a graça especial da fecundidade apostólica em nossas vidas.  Nossa missão se resume em anunciá-la por nosso ser e agir.

Ela caminha com cada mãe e se revela em toda manhã como estrela guia e nos aponta seu Filho para que o amemos cada vez mais e sejamos semelhantes a ela: perita no saber esperar os tempos de Deus. Tempos longos e misteriosos, que não coincidem com a nossa pressa e os nossos projetos, mas ela continua a abrir as portas do Santuário todos os dias e do céu derrama bênçãos maternais sobre a vida de suas consagradas.

Maria, nosso maior modelo de como ser mãe nos dias atuais. Mãe da esperança, que medita sempre no seu coração as promessas e as surpresas de Deus, a familiaridade com o mistério, a certeza e a experiência da fidelidade do Pai.

Educadora por excelência ensina-nos a esperar com confiança e paciência. ‘Nada sem Vós, nada sem nós!‘ Maria consolida em nós, mães, a virtude da fortaleza na fé, que permite enfrentar os perigos e suportar as adversidades. Seu testemunho de vida e seu atual cuidado de Mãe para conosco, coloca cada mãe da União no caminho de fidelidade a Cristo.

MÃE… Símbolo de vida… Aquela que se dedica a gerar, cuidar e proteger a família num permanente exercício de amor.

A União Apostólica de Mães de Schoenstatt, nesta passagem tão especial de homenagens às mães, une-se num gesto de júbilo e aplauso a todas elas.

Recebam com este poema a nossa homenagem!

POEMA

Feliz Dia das Mães

 

Publicado por: União das Mães | 03/30/2015

PÁSCOA

PÁSCOA

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá. Crês nisto? (João 11, 25-26).

ORIGENS DO TERMO

A Páscoa é uma das datas comemorativas mais importantes entre as culturas ocidentais. A origem desta comemoração remonta muitos séculos atrás. O termo “Páscoa” tem uma origem religiosa que vem do latim Pascae. Na Grécia Antiga, este termo também é encontrado como Paska. Porém sua origem mais remota é entre os hebreus, onde aparece o termo Pesach, cujo significado é passagem.

A PÁSCOA JUDAICA

Entre os judeus, esta data assume um significado muito importante, pois marca o êxodo deste povo do Egito, por volta de 1250 A.C., onde foram aprisionados pelos faraós durante vários anos. Esta história encontra-se no Velho Testamento da Bíblia, no livro Êxodo. A Páscoa Judaica também está relacionada com a passagem dos hebreus pelo Mar Vermelho, onde liderados por Moisés, fugiram do Egito.

 A PÁSCOA ENTRE OS CRISTÃOS

Mistério insondável!/ Um Deus morre,/ oculto nas feições humanas,/ para que,/ ressurgindo da morte,/ brote vida nova,/ vida divina da graça,/ presente no coração/ que se abre ao Mistério Redentor!                                                                                                                                                                           Poemas para meditar – Ir. Maria Luiza Grando

Páscoa 15

Entre os primeiros cristãos, esta data celebrava a ressurreição de Jesus Cristo. A festa era realizada no domingo seguinte à lua cheia, posterior ao equinócio da Primavera (21 de março).  É a celebração mais importante da Igreja Cristã, onde se comemora a Ressurreição de Jesus Cristo.

COMO DEVEMOS COMEMORAR A RESSURREIÇÃO DE CRISTO?

Devemos comemorar sendo anunciadores e instrumentos em todos os lugares, especialmente em nosso lar.

Hoje temos também um instrumento muito importante em nossas mãos, os meios digitais, que constituem a nova maneira de anunciar Jesus Cristo vivo e ressuscitado. Há um mundo sedento que necessita ouvir sobre a esperança da vida em Jesus. Hoje no mundo todo são milhões de usuários da internet que aguardam por nosso anúncio

COMO ANUNCIAR? 

JesusPara ser anunciador do Cristo vivo é necessário abrir-se ao Espírito Santo, que renova o nosso interior e transforma os nossos sentimentos.  Acima de tudo, é preciso querer transmitir a alegria da vitória, pois sabemos que a morte foi derrotada. Essa fé na vida eterna deve inundar o tempo atual, onde o materialismo impera. Os bens materiais, o corpo é supervalorizado, em oposição aos valores eternos que são esquecidos.

Acreditar em uma vida após a morte muda tudo! É fonte de salvação, é força que não se acaba, é superação de problemas, dos medos internos, inclusive da nossa própria morte.

 Nós não temos o que temer, pois, quando nos decidimos em sermos anunciadores da alegria da ressurreição, Deus entra com a sua graça e é Ele que vai agir em nós.

Sepulcro vazioJesus apareceu em primeiro lugar às mulheres que do próprio Senhor receberam a ordem de anunciar.

Naquele domingo Jesus apareceu àquelas corajosas mulheres que, de madrugada, enfrentaram tudo e foram até o sepulcro, mesmo sabendo que lá encontrariam soldados vigiando à porta e depois saíram pelo mundo contando a boa nova: O Senhor está vivo! Aquele que foi morto injustamente ressuscitou!

O que essa passagem fala a todas as mulheres, às mães, esposas, avós? Ela nos diz que é preciso passar a fé adiante, que não podemos nos calar. Anunciemos, especialmente aos nossos, a maravilha que é crer na Páscoa do Senhor. O sepulcro está vazio.

“O Senhor rompe as fortes cadeias da morte e frustra o poder e a astúcia do demônio. Plena de júbilo, o vês transfigurado e belo, como nós, um dia, ao ressuscitarmos, nas alturas do céu.” (R.C.351)

MÃES DA UNIÃO

MTA 15Nós, como mães da União Apostólica de Mães de Schoenstatt, que aspiramos a ser apóstolas em todo campo de atuação, vivenciando o apostolado do ser, do sacrifício e da ação, temos de ser anunciadoras do Cristo vivo e “instrumentos nas mãos da Mãe Três Vezes Admirável, para a renovação do mundo, em Cristo”.

 Esse é um grande desafio, pois o modernismo impõe aos jovens e até mesmo às crianças, uma maneira de ser que repudia o que é antigo, que ama o que é novo, moderno e faz com que a sabedoria dos mais velhos, que viveram muito e sabem o que é valor de verdade seja deixada de lado.

  Às vezes no dia da Páscoa muitos sabem bem dar ovos de chocolate, mas não falam sobre o personagem principal – Jesus.

 Podemos dar ovos, mas, junto também se pode colocar um cartãozinho com as palavras: Cristo está vivo. Aleluia! Se não queremos falar, podemos escrever uma mensagem para cada um que estiver em nossa mesa ou colocar um quadro de Cristo ressuscitado na sala, cozinha, ou no lugar onde costumamos rezar.

São sugestões, porque, se não passarmos adiante a fé que recebemos haverá um hiato, um rompimento, que demorará muito tempo para ser restaurado em nossas famílias e então será preciso um novo anúncio e novas conversões, uma compreensão daquilo que nós já compreendemos. Temos que pensar também que a Palavra de Deus poderá ser passada aos nossos por pessoas interesseiras que podem levá-los para outro aprisco…

 Ó Maria, Mãe do Salvador, faz-nos compreender a grandeza dessa festa e saborearmos as alegrias da Ressurreição do seu Filho. Que sejamos anunciadores dessa verdade:

Cristo está vivo, aleluia! Ele vive em nós!

CRISTO RESSUSCITADO 15

Jesus ressuscitou!

Aleluia! Aleluia!

Ressoa de coração a coração,

nos acordes do júbilo,

entoando, com Maria,

                            a vitória pascal!                            

                                                                                                                                                                                              Ir. Maria Luiza Grando

A família da União Apostólica de Mães de Schoenstatt deseja uma

F E L I Z  P Á S C O A  

a todos!

 

 

Publicado por: União das Mães | 03/21/2015

QUARESMA

QUARESMA

PAPA 5
“Queridos irmãos e irmãs, possa este tempo de Quaresma encontrar a Igreja inteira pronta e solícita para testemunhar, a quantos vivem na miséria material, moral e espiritual, a mensagem evangélica, que se resume no anúncio do amor do Pai misericordioso, pronto a abraçar em Cristo toda a pessoa. E poderemos fazê-lo na medida em que estivermos configurados com Cristo, que se fez pobre e nos enriquece com a sua pobreza.” 
Papa Francisco

O QUE É TEMPO QUARESMAL?

QUARESMA 15

A palavra quaresma se origina do número quarenta, que aparece várias vezes na Sagrada Escritura, destacando o sentido de um tempo para a conversão e purificação.

No Tempo da Quaresma, a Igreja reflete sobre as práticas que nos levam às mudanças no modo de pensar e agir.

CINZAS 15O tempo quaresmal tem seu início na Quarta-feira de Cinzas e termina na Quinta-feira Santa, antes da ceia do Senhor. Durante estes quarenta dias os fiéis são convidados a um período de penitência e meditação, por meio da prática do jejum, da esmola e da oração.

Nas celebrações, principalmente as dominicais, as leituras bíblicas, próprias para este tempo, abordam práticas e formas de cada fiel viver melhor sua caminhada com e para Deus. A Liturgia da Quaresma está repleta de ações de misericórdia e de incontáveis graças, e nestes dias, até os corações mais endurecidos se abrem à penitência, ao refletir “quão triste e amargo é ter abandonado o Senhor Deus”.  (Jr 2,19).

Todo fiel que deseja viver bem o tempo da quaresma deve participar das celebrações e praticar as obras de misericórdia, alcançando assim as virtudes santificadoras.

CANTAR A QUARESMA

Tende piedade de mim, Senhor, segundo a vossa bondade. E conforme a imensidade de vossa misericórdia, apagai a minha iniquidade. Sl 50,3

Cantar a Quaresma é antes de tudo, cantar a dor que se sente pelo pecado do mundo, que, em todos os tempos e de tantas maneiras, crucifica os filhos de Deus e prolonga, assim, a Paixão de Cristo. É um canto de penitência e conversão, um canto sem “glória” e sem “aleluia”, um canto sem flores e sem vestes da alegria, um canto das profundezas… do fundo do abismo, clamo a vós, Senhor. (Sl 129); um grito penitente de quem implora e suplica: Tende piedade de mim…

RECONCILIAÇÃO E PENITÊNCIA

ORAÇÃO 15

Em nome de Cristo vos rogamos: reconciliai-vos com Deus! II Cor 5,20

Reconciliação significa restabelecer um relacionamento com Cristo que nos reconciliou com Deus e uns com os outros. Essa atitude criará uma melhor oportunidade para a restauração do relacionamento com Deus. A participação no Sacramento da Reconciliação, no qual a bondade de Deus consente um novo início à nossa vida. É sempre uma graça imerecida poder ouvir do sacerdote o perdão que Deus nos concede: Eu te absolvo dos teus pecados.

Somos convidados neste tempo penitencial a retirar o pecado de nossos corações. Temos que expressar através de nosso testemunho de vida os sinais de nossa reconciliação com o Altíssimo.

O sacramento da Reconciliação permite que se realize em três níveis: Reconciliação com Deus, reconciliação com o nosso próximo e reconciliação conosco mesmo.

 ORAÇÃO

Senhor, ensina-me a rezar. Lc 11,1

PAI NOSSO 15

Pequei contra Ti somente, pratiquei o que é mau aos Teus olhos. Sl 51,6 .

A oração é a base da nossa espiritualidade. Temos que aprender a falar com Deus através da oração. É pela prática da oração que adquirimos forças para repudiar o pecado em nossas vidas.    No período da Quaresma de modo especial, a oração da Via-Sacra é uma boa proposta, para que se possa percorrer os caminhos dolorosos do Senhor. A meditação em cada estação da Via-Sacra permite que se reviva o que Jesus Cristo passou para nos salvar. Este é um momento para profunda comunhão com o divino.

JEJUM

JEJUM 15

Quando jejuardes, não tomeis um ar triste como os hipócritas, que mostram um semblante abatido para manifestar aos homens que jejuam. Em verdade eu vos digo: já receberam sua recompensa. Mt 6, 16

O jejum é uma prática nobre e difícil. Por meio dela, reservamos um tempo para falar com Deus, aprendemos a autodisciplina, a humildade e gratidão.  Mediante o jejum e as pequenas mortificações do dia a dia, aprendemos a controlar os desejos desordenados de nossa classe. Hoje, a nossa Mãe Igreja nos solicita o jejum e a abstinência de carne na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira da Paixão, mas por tradição, toda sexta-feira do ano é dia de penitência e, por isso, também nesses dias pode ser praticado o jejum. O Domingo não é um dia de jejum, mesmo no tempo quaresmal. Nosso jejum deve ser discreto e fecundo.

ESMOLA

CARIDADE 15

Reparta seu pão com quem tem fome e suas roupas com quem está nu. Dê como esmola tudo o que você tem de supérfluo, e não seja mesquinho. Tb 4,16    

Por meio da esmola nos aproximamos do irmão que sofre, compartilhando com ele aquilo que possuímos, Existem várias formas de exercer a esmola, mas em todas elas, temos que agir com caridade. É a prática da caridade que nos ensina que o exercício da esmola pode e deve se construir, em nós, em luz, em força e em identidade com Cristo.

Oração para o Tempo Quaresmal

Pai Nosso,

Que estais no céu,

Durante esta época

De arrependimento,

Tende misericórdia de nós.

Com nossa oração,

Nosso jejum

E nossas boas obras,

Transformai

O nosso egoísmo

Em generosidade.

Abri nossos corações

À vossa palavra,

Curai-nos das feridas do pecado,

Ajudai-nos a fazer o bem neste mundo.

Que transformemos a escuridão

E a dor em vida e alegria.

Concedei-nos o que vos pedimos,

Por Nosso Senhor Jesus Cristo,

Amém

 

Publicado por: União das Mães | 03/08/2015

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

NOSSAS HOMENAGENS…

Dia Interncional da mulher 15

A UNIÃO APOSTÓLICA DE MÃES DE SCHOENSTATT parabeniza a todas as mulheres neste dia especialmente dedicado a elas. Parabéns a vocês mulheres: mães, esposas, companheiras, filhas, avós, amigas, irmãs – guerreiras em qualquer área de atuação.

Rosa 15

Que MARIA, modelo de MULHER e MÃE, proteja e abençoe a todas!

Publicado por: União das Mães | 12/03/2014

ADVENTO – NATAL

ADVENTO – NATAL

ADVENTO 2014

DO CENTENÁRIO, PARA OS NOVOS TEMPOS!

ESTRELAS  2014

Estamos no Advento – tempo marcado por uma vivência mais profunda da vida de oração. É tempo de espera e esperança, de estarmos atentos e vigilantes, preparando-nos alegremente para a vinda do Senhor.

A Mãe de Deus repete o Fiat. A Imaculada luta cheia de anseio pela hora da Salvação. Gabriel lhe faz o pedido.

ADVENTO 2

Em cada Advento podemos dizer:  Schoenstatt, sinal luminoso para o mundo de hoje! 

Queremos uma vez mais agradecer a História Sagrada de Schoenstatt.

SANTUÁRIO ORIGINAL à noite

Vivemos momentos inesquecíveis, tanto nas preparações, como nas vivências locais do Jubileu dos 100 anos da Aliança de Amor. Também por meio da mídia, pudemos vivenciar, mesmo à distância, as comemorações realizadas na origem, no nosso Santuário Original.

O PAPA RECEBE EM AUDIÊNCIA A FAMÍLIA DE SCHOENSTATT

O PAPA E A MTA

Como Família, partilhamos no coração da Igreja, um pouco da nossa história, pela visita de muitos representantes de vários países a Roma, onde o Papa Francisco nos acolheu com muita ternura.

Respondeu as perguntas formuladas. Suas respostas merecem de cada um de nós uma atenção muito especial, porque tocam a vida, vem de encontro à nossa espiritualidade, nos ajudando, confirmando e orientando em nosso caminhar, para seguirmos para os novos tempos, para os próximos 100 anos.

 Não podemos fugir do mundo, temos que mergulhar nele, com novo entusiasmo, novas forças!

O Santuário é o lugar do nosso encontro. Nossa Mãe e Educadora quer e pode nos ajudar a cultivar a Cultura da Aliança, apesar de sermos instrumentos frágeis e limitados. No início, também não foi diferente.

O PAPA E O POVOSegundo as palavras da nossa Igreja, representada pelo Papa Francisco à nossa Família, Sua Santidade nos diz:

Cultura do encontro é cultura da aliança. Isso gera solidariedade… Significa criação de vínculos, não destruição de vínculos. E, hoje em dia, estamos vivendo nessa cultura do provisório, que é uma cultura de destruição. Precisamos trabalhar por uma cultura que nos ajude a encontrarmo-nos como família, como movimento, como Igreja, como Paróquia (…) 

São os santos que levam a Igreja adiante. São aqueles que foram capazes de renovar sua santidade, e renovar, através de sua santidade, a Igreja. São eles que levam a Igreja avante… 

Na medida em que alguém reza mais e deixa que o Espírito Santo atue, vai conseguindo essa santa liberdade de espírito, que o leva a fazer coisas que produzem um grande fruto… Liberdade de Espírito supõe fidelidade, e supõe oração. 

Para levarmos a missão adiante, o Papa Francisco cita uma frase do Papa Bento XVI: “A Igreja não cresce por proselitismo, mas por atração”. (…) viver de tal maneira que os outros tenham vontade de viver como nós. É o testemunho!

Pe. Heinrich Walter, superior do Movimento, nos aponta para que recorramos à Mãe, pois uma aliança foi selada entre o Céu e a Terra, entre Maria e nós, entre mim e você. Deixemo-nos surpreender pela Mãe!

Somos a geração convocada para levar Schoenstatt para o futuro; os anos que vivemos deverá fazer a diferença. “Que as gerações futuras nos julguem!”

Novos tempos…

COROA DO ADVENTOOs grandes acontecimentos exigem preparação. Por isso, a Igreja instituiu, na Liturgia, um período que antecede o Natal: o Advento. Com esse tempo de preparação, quer a Igreja ensinar-nos que a vida é um imenso advento e, se vivermos bem, isto é, de acordo com a Lei de Deus, Jesus Cristo será nossa recompensa e nos reservará no Céu um belo lugar, como está escrito: “Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou, tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que O amam” (1Cor 2, 9).

Aproveitemos esse tempo de alegria para os cristãos, caracterizado pela preparação para o nascimento de Jesus, para nos abrirmos com docilidade às inspirações do Espírito Santo, no preparar da casa, da ceia, no serviço aos familiares e, sobretudo no coração!

NATALQUERIDO MENINO JESUS: Aproxima-se o aniversário de seu nascimento… São quatro domingos que nos separam da grande Noite de Luz. Ajuda-nos a nos prepararmos bem para a sua vinda. Temos que fazer um grande esforço, para o nosso coração estar sintonizado com o seu, pois o barulho é muito, e é muito fácil perdermos o essencial.

Seguimos esperando o seu nascimento, alegres e confiantes. Queremos contar para muitas pessoas que o Filho de Maria vai chegar e aquecer muitos corações… Envia-nos a sua paz! Abençoa nossas famílias! Que possamos ter o olhar para a vossa família e proclamar: Jesus, Maria José, nossa Família vossa é!

A família da União Apostólica de Mães de Schoenstatt deseja a todos um abençoado e

Feliz Natal!

Publicado por: União das Mães | 10/21/2014

18 DE OUTUBRO – O CÉU TOCOU A TERRA

CENTENÁRIO DA ALIANÇA DE AMOR

CENTENÁRIO LOGO

Chegou o tão esperado 18 de Outubro.

Temos muitas razões para celebrar, agradecer e louvar a Deus pelos cem anos do Movimento Apostólico de Schoenstatt.

Olhando para o século que passou, podemos imaginar o 18 de Outubro de 1914 com o Padre Kentenich e os primeiros Congregados. Quanta expectativa e esperança!

Aquele pequeno ato inflamou os corações daqueles que ali estavam. Fizeram-se instrumentos da Mãe de Deus e ela aceitou sua singela oferta.

Como os apóstolos, aquele primeiro grupo que selou a Aliança de Amor em Schoenstatt também era pequeno em quantidade. Acredito que, naquele momento, nem imaginavam o que significaria aquele acontecimento para a Igreja e para a humanidade.

A Aliança de Amor selada entre a Mãe de Deus e os primeiros Congregados representava uma grande oportunidade que Deus concedia a seus filhos tão necessitados de sua misericórdia e redenção.

Depois disso, outras pessoas descobriram o segredo de Schoenstatt e quiseram participar da graça que Deus derramava sobre seus filhos, através de sua Mãe.

E assim, muitas pessoas selaram também a Aliança de Amor com a Mãe de Deus e aceitaram o compromisso de trabalhar em sua autoeducação para serem também colaboradores de nossa Mãe Rainha na santificação do mundo.

Quantos heróis surgiram desde então: homens, mulheres e jovens que se doaram, através de sacrifícios, orações, caridade como também doaram suas próprias vidas para a salvação do mundo. E Deus aceitou suas ofertas.

Prova disto são estes primeiros cem anos de Schoenstatt.

A INTERCESSÃO DA MÃE RAINHA E VENCEDORA TRÊS VEZES ADMIRÁVEL

Nossa Mãe       A Mãe não cessou de interceder, utilizando o Capital de Graças e derramando as bênçãos divinas sobre nós e sobre um grande número de pessoas que nem conhecemos pelo mundo inteiro.

Quanto amor! Como somos preciosos para Deus!

Lançando um olhar para o próximo centenário: este, nós é que vamos construir. Sua celebração depende de cada um de nós e de nosso Capital de Graças.

Schoentatt precisa de heróis para o próximo século. Santos da vida diária, que carregam sua cruz com alegria, gratidão e amor. Que entregam seus sacrifícios, suas lágrimas, seus sorrisos, sua alma, sua vida inteira a Deus, colaborando para a salvação das almas.

Deus nos ama e ama também nossos irmãos. Ele quer chegar a todos e precisa de nós.

Foto retiro 2014

Santuário Tabor da Permanente Presença do Pai – Atibaia/SP – Retiro 2014

Somos o presente da Mãe de Deus neste Centenário!

Que nos entreguemos a Ela para que Ela faça conosco o que for necessário para o agrado de Deus e bem da humanidade.

Retiro 2014 oração

Santuário Tabor da Permanente Presença do Pai – Atibaia/SP – Retiro 2014

Que, através de nós, muitos presentes, muitos filhos possam ser entregues à nossa Mãe no próximo centenário, pois ela merece!

Agradeçamos também ao nosso Pai Fundador e rezemos pela sua canonização. Ele, que nos acompanha com olhar zeloso e paternal. Podemos contar com sua força e estímulo.

COROAÇÃO DA MÃE DE DEUS COMO A RAINHA DAS VIRTUDES

Nossa comunidade da União de Mães coroou nossa Mãe Rainha, como Rainha das Virtudes. Queremos que as sementes das virtudes da Confiança Inabalável, Amor Desinteressado e da Fidelidade que foram plantadas em nossos corações, possam brotar, frutificar e crescer.

COROAÇÃO 3 2014

Santuário-peregrino

Santuário peregrino coroado

Santuário-peregrino coroado

Que as virtudes da Mãe de Deus sejam nossas virtudes!

Mas para isso deveremos cultivar essas sementes com amor e regá-las com a oração.

Desta forma nos tornaremos os melhores presentes que nossa Mãe já ganhou. Queremos ser seus presentes prediletos, por isso caprichemos no cultivo das virtudes.

Nossa Mãe precisa de nós, o mundo precisa de nós, a Igreja precisa de nós, Schoenstatt precisa de nós!

Por isso, vamos celebrar o primeiro século e já nos empenhar para o segundo que se iniciou também no dia 18 de Outubro de 2014.

Pela Mãe de Deus, isto já está garantido. Por isso, vamos trabalhar, já visualizando os próximos 100 anos.

Parabéns àqueles que ajudaram a construir este Centenário: Deus, nossa Mãe, Padre Kentenich e todas as pessoas que já selaram sua Aliança de Amor!

FAZEMOS PARTE DESTA HISTÓRIA!

 Que bênção fazer parte desta Família: minha Família, a Família de Schoenstatt!

Mães no Retiro Jubilar da União de Mães de Schoenstatt no Santuário Santuário Tabor da Permanente Presença do Pai – Atibaia/SP.

Mães de curso

Foto retiro  CAPELA

Cursos no Santuário

Procissão RETIRO

RETIRO 3º CURSO

RETIRO MÃES

Comemoração dos cursos

Confraternização em comemoração à Consagração do 6º e 7º cursos.

FELIZES E CONFIANTES, ENTREMOS NESTE NOVO SÉCULO DO MOVIMENTO DE SCHOENSTATT, AMPARADAS PELAS VIRTUDES DO AMOR DESINTERESSADO, PELA CONFIANÇA INABALÁVEL E PELA FIDELIDADE NA VIVÊNCIA DA ALIANÇA DE AMOR! 

“Com Maria, cheios de alegre esperança e certos da vitória, rumo aos tempos novíssimos!”   

Padre José Kentenich

Publicado por: União das Mães | 08/23/2014

A CULTURA DA ALIANÇA

SCHOENSTATT, O IMPERATIVO PARA NOSSO TEMPO:

PROMOÇÃO DA CULTURA DA ALIANÇA

SANTUÁRIO I

A Cultura da Aliança é a resposta de Schoenstatt para a pergunta da Igreja e da sociedade: Schoenstatt, o que fazes? 

O Movimento Apostólico de Schoenstatt tem motivado o aparecimento de muitas atividades apostólicas, sociais, pedagógicas, missionárias e pastorais, ao redor do mundo todo. Trata-se, sempre, de formar uma sociedade fundamentada na Aliança de Amor, uma cultura de aliança em todos os âmbitos da vida.

O Documento de Trabalho 2014 explica assim o significado da Cultura da Aliança: “Nossa forma original de expressar nosso estilo de vida e de trabalho: nossa vinculação a Deus, às pessoas, à natureza e à cultura, à Igreja e ao mundo, sempre baseado na Aliança de Amor”.

CARIDADECom a cultura da aliança, manifestada e concretizada nos projetos apostólicos a serviço do próximo, Schoenstatt “mostra com atos” que realmente ama a Igreja, as famílias, a juventude, os pobres e os marginalizados, a sociedade e a todos que tenham alguma relação com o ser humano, na busca pela vivência em Aliança consigo mesmo, com Deus, com os outros, com a natureza e o trabalho. É a contribuição concreta de Schoenstatt para que seja formada uma nova ordem social; é um chamado para a construção, a partir da Aliança e pela atuação de homens novos – homens de aliança – um mundo novo.

CADA PROJETO, UM COMPROMETIMENTO COM A CULTURA DA ALIANÇA

Muitas das iniciativas tiveram início com pessoas ou grupos de algum Ramo do Movimento, ou foram fruto do chamado ou inspiração da Mãe de Deus ou do Santuário a pessoas que, deixando-se guiar pela Mãe de Deus, realizam trabalho social sistemático e contínuo em favor dos necessitados.

Todos esses projetos, iniciativas ou instituições acontecem no dia-a-dia, para manifestar o espírito e a pedagogia de Schoenstatt. As pessoas aplicam, em seu trabalho diário, os princípios pedagógicos do Pe. Kentenich e todos os meios tecnológicos em prol da dignidade do ser humano.

ESCOLA

Campanha da Mãe Peregrina de Schoenstatt / Projeto Social / Atibaia/SP: Raio de Sol, onde educar é iluminar.

Portanto, cada projeto é, em si mesmo, “missionário” e evangelizador e tem como objetivo a missão de difundir a mensagem do amor cristão, da justiça social e levar a Deus aqueles que sofrem qualquer tipo de carência.

Existe um grande número e variedade de projetos sociais, pastorais, pedagógicos e missionários que nasceram a partir da Aliança de Amor, como reflexo não apenas da grande necessidade atual do ser humano, como também de sua origem no “encontro” de vocações pessoais e situações concretas que urgem serem traduzidas em atos concretos.

PK 2014

Como todo Schoenstatt, suas ações, projetos e iniciativas, sejam grandes ou pequenos, não surgiram da teoria, mas, sim, da vida, da Fé Prática na Divina Providência, “com uma mão no pulsar do tempo e o ouvido no coração de Deus” (Pe. Kentenich).

 A RESPOSTA MAIS IMPORTANTE: MARIA

MÃE RAINHA 2014

Na Campanha da Mãe Peregrina, se experimenta e se aplica de maneira vital o que é essencial em toda ação social, apostólica e missionária de Schoenstatt: Maria é, finalmente, a resposta a todas as necessidades do ser humano. Trata-se de levá-la a todas as realidades da vida atual, para que ela atue e construa uma Cultura da Aliança. “O núcleo da Campanha é levar Maria como Imagem de graças; ela deve estar na frente. Trata-se de levá-la ‘a todo lugar onde nos seja possível e ela há de atuar… é isso que temos querido e desejado’” (Padre Kentenich, 11.04.68).

A Campanha, como “rosto missionário” de Schoenstatt, chega a todas as áreas estratégicas de apostolado e quer alcançar todos os homens e mulheres, especialmente as famílias, para tornar Santuários os lares, lugar onde Maria possa educar e evangelizar.

O APOSTOLADO MAIS IMPORTANTE: A ORAÇÃO

ORAÇÃO

A partir de um princípio, sempre foi importante que houvesse pessoas que apoiem os projetos apostólicos, por meio de sua oração. Schoenstatt é, desde a origem de 1929 ininterruptamente, 24 horas por dias, um lugar de adoração perpétua. No centro do Instituto das Irmãs de Maria existe uma comunidade – Irmãs da Adoração Perpétua. O Santuário Original é, desde 1989, um lugar onde as Irmãs de Maria rezam em frente ao Santíssimo pelas intenções e necessidades do mundo todo. (…)

POR MEIO DA ALIANÇA DE AMOR!

Assim, o que nós somos, nossa cultura como Família de Schoenstatt é a Aliança de Amor com a Mãe e Rainha para que ela nos leve até seu Filho Jesus Cristo e, por Ele, ao Pai no Espírito Santo. É o que expressamos, quando rezamos com nosso Pai e Fundador no Rumo ao Céu: “O universo, com alegria, dê glória ao Pai, no Espírito Santo, em seu esplendor, louve-o por Cristo e com Maria, agora e na eternidade. Amém.”.

O mundo transformado pelas graças que Maria distribui de seu Santuário

MÃE 2014Portanto, a Cultura da Aliança é o modo de vida daqueles que escolheram honrar o pedido que Deus lhes fez um dia no Santuário e resolveram levar a Mãe Rainha a todo lugar que iam, vivendo o dia-a-dia, o pequeno, o ordinário, da melhor forma possível e entregando tudo em Capital de Graças à Mãe.

Assim, temos a certeza de que a salvação do mundo virá em duas frentes: primeiro, do universo ao nosso redor, transformado por nosso exemplo e, depois, de todo o mundo, transformado pelas graças que Maria distribui de seu Santuário.

E no momento em que deixamos transparecer o que somos, como schoenstatianos, para todos, em todos os ambientes onde vivemos, estamos levando nossa Aliança de Amor, pouco a pouco, de coração em coração. E assim, lentamente, vamos espalhando o amor de Deus, novamente, pelo mundo e renovamos a Cultura Cristã, a Cultura da Aliança Original, a Cultura da Aliança de Amor.

UNIÃO APOSTÓLICA DE MÃES DE SCHOENSTATT E A CULTURA DA ALIANÇA

Como mães da União Apostólica de Mães de Schoenstatt, em Aliança de Amor com Maria e vivendo a fé prática na Divina Providência, queremos ser outras Marias para nossas famílias, para a Família de Schoenstatt, a Igreja e o mundo do nosso tempo. Almejamos que Ela se manifeste em nossa família e, por meio dela, ao mundo.

Concretizamos a Cultura da Aliança ao darmos demonstração de amor à família, e sermos sinal visível do amor de Deus. E, ao promover a santificação da Família, mostramos ao mundo que é possível formarmos a nova comunidade de homens, vinculados consigo mesmos, com Deus, com os demais irmãos e com a natureza. Procuramos reatar os laços desses vínculos e mantê-los vivos na nossa família e na comunidade. Queremos constituir uma comunidade de corações.

Praticar os sacramentos, ter momentos de oração junto à família, vivenciar os deveres de esposa, de mãe, de filha e de cristã em todos os momentos, com amor desinteressado, fidelidade e confiança inabalável. E se empenhar na conquista diária dessas virtudes. Ser exemplo vivo de Maria na paciência, no silêncio, na fortaleza e no servir… São atitudes que testemunham uma vida de aliança.

ANO JUBILAR DO CENTENÁRIO DA ALIANÇA DE AMOR

ANO JUBILAR 2014

PAI, TUA ALIANÇA, NOSSA MISSÃO!

Publicado por: União das Mães | 07/08/2014

A FESTA DE PENTECOSTES

Festa de Pentecostes

A festa de Pentecostes comemora o nascimento da Igreja Católica Apostólica Romana, quando se realiza a promessa de que o Pai, após a Ascensão de Jesus, enviaria o Espírito Santo para ensinar e recordar tudo o que Ele dissera aos seus seguidores…

Espírito SantoO Paráclito, o Espírito Santo que o Pai enviará em Meu Nome ensinar-vos-á todas as coisas, e vos recordará tudo o que vos tenho dito” (João,14,26).

Em João, 20,19, lemos que, naqueles dias, os apóstolos, por medo dos judeus, estavam trancados no Cenáculo.

Lá estava também Maria, a mãe de Jesus. Confiantes e em contínua oração, eles esperavam a chegada do Espírito Santo prometido por Jesus.

A vinda do Espírito Santo não acontece num dia qualquer, mas em continuidade com o Pentecostes judaico, que se celebra, 50 dias após a Páscoa. A comunidade está reunida por completo, todos juntos, no mesmo lugar, na mesma casa. O vento vem repentino e surpreendetemente, como um vento impetuoso (João 3,8).

O Espírito é a nova lei, não mais escrita em tábuas de pedra, mas nas tábuas do coração.

O FOGO TRANSFORMADOR

descida do ES

O fogo do Espírito é transformador. Um verdadeiro Batismo de Fogo que capacitará aqueles tímidos e amedrontados seguidores a sair pregando com ousadia, a conversão, a Ressurreição e todo o projeto de amor, perdão e justiça proposto pelo Mestre, e ainda enfrentar com coragem as perseguições e ameaças de morte por parte dos judeus, a quem não abandonasse o caminho ensinado por Jesus.

Hoje, milhares de missionários deixaram tudo para anunciar a Boa Nova de Jesus nos cinco continentes, enfrentando todo tipo de dificuldade para que o Seu Reino se estendesse no mundo todo.

MISSIONÁRIAS NO MUNDO DE HOJE

Assim também nós, mães unionistas, somos enviadas para uma missão: cooperar na transmissão da Fé, para que o Reino de Deus cresça entre as pessoas.

Necessitamos de uma ação direta do Espírito Santo para podermos atuar dentro da virtude e perfeição cristã.

No Espírito Santo, 3° Pessoa da Santíssima Trindade, reside o Amor Supremo entre o Pai e o Filho; e confiantes nesse Amor, que enche os nossos corações e nos impele a evangelizar, vamos pedir a Deus Pai, por intercessão da nossa Mãe e Rainha Três Vezes Admirável, que nos conceda a graça de ter uma confiança inabalável; que ao seu exemplo, na anunciação e aos pés da Cruz, sejamos também fortes, seguras, perseverantes, para que, quando Cristo parecer dormir no barco de nossa vida, não duvidemos de Seu Poder, mas tenhamos coragem de confessar: Senhor eu creio em Ti. Assim foi a tua fé, Mãe: acreditaste sempre, mesmo na mais dura provação.

PKentenichComo o nosso Pai e Fundador, Pe. José Kentenich, nós amamos a Igreja. Pelo seu testemunho de fidelidade a Deus e de total dedicação a serviço do próximo, nós compreendemos que o nosso apostolado deve cumprir a incumbência que Jesus deixou a cada uma de nós: a transmissão da fé.

Nosso fundador, repleto dos dons do Espírito Santo, com uma confiança inabalável conduziu toda a família schoenstatiana com os frutos desse Espírito. Refletiu durante toda a sua vida, o amor, a alegria, a paz, a coragem, a benignidade, a fidelidade, a mansidão e o equilíbrio contidos em seu nobre coração.

“O Espírito Santo desceu sobre os apóstolos em forma de línguas de fogo. Antes disso havia neles muito pouco ardor, no máximo um pouco aqui e ali. (…) Línguas de fogo! O fogo também ilumina. O fogo se eleva às alturas. O fogo aquece. Não foi essa também a grande transformação que se deu nos apóstolos depois da vinda do Espírito Santo? Não é esse também o grande anseio do qual também nós estamos sempre interiormente possuídos, de modo especial depois que penetramos mais profundamente em tudo o que é divino, sobrenatural, do além?”   
Movidos pelo Espírito – Pe. José Kentenich (Domingo de Pentecostes – 29 de maio de 1966)
 
Mãe, quem me vê, te veja! Esse é o nosso apostolado. Maria é o nosso modelo. Nós nos espelhamos nela.

O Espírito Santo aconteceu em comunidade. Deus Pai e Jesus escolheram o Cenáculo para a vinda do Espírito Santo, fazendo dos apóstolos irmãos, servos e testemunhas do Evangelho.

Também somos uma comunidade. Também queremos arder como labaredas com a Luz e Força do Espírito Santificador.

Pombinha

« Newer Posts - Older Posts »

Categorias